Nuvens


Nuvens... Estão passando sempre, umas muito grandes que parecendo, porque as casas não deixam ver se são menos grandes que parecem, que vão a tomar todo o céu;  outras de tamanho incerto, podendo ser duas juntas ou uma que se vai partir em duas, sem sentido no ar alto contra o céu fatigado; outras ainda, pequenas, parecendo brinquedos de poderosas coisas, bolas irregulares de um jogo absurdo, só para um lado, num grande isolamento, frias.


Nuvens... São como eu, uma passagem desfeita entre o céu e a terra, ao sabor de um impulso invisível, trovejando ou não trovejando, alegrando brancas ou escurecendo negras, ficções do intervalo e do descaminho, longe, longe do ruído da terra e sem ter o silêncio do céu.

Nuvens... Continuam passando, continuam sempre passando, passarão sempre continuando, num enrolamento descontínuo de meadas baças, num alongamento difuso de falso céu desfeito.


(Trechos retirados do Livro do Desassossego - Fernando Pessoa)
2 comentários

Postagens mais visitadas