A teoria de tudo - Longa que conta a história do físico Stephen Hawking


Segue dica daqueles  filmes que vale muito a pena assistir. O Estrambólica Arte tem enorme respeito e admiração pelo físico Stephen Hawking e sente-se honrado em fazer a divulgação deste filme, além, é claro, de ir assisti-lo. O filme estreia hoje, dia 29 de janeiro de 2015, e conta a história do físico Stephen Hawking. Foi baseado na biografia de Hawking e mostra como o jovem astrofísico fez descobertas importantes sobre e o tempo, além, de retratar o seu romance com a aluna de Cambridge, Jane Wide e a descoberta da doença motora degenerativa quando tinha apenas 21 anos. O Estrambólica Arte pesquisou mais detalhes sobre a história mostrada no filme. Segue a transcrição do resultado da pesquisa.

Baseado no livro My Life with Stephen, escrito por Jane Wilde Hawking, o filme se empenha em mostrar o relacionamento entre o astrofísico Stephen Hawking e Jane – que foi sua esposa durante 30 anos. De acordo com o site Info Online, no inicio do filme, são mostradas cenas de Hawking se divertindo com seus amigos da faculdade como qualquer outro jovem de sua idade, e também através destas cenas começa-se a compreender as suas teorias sobre Buracos Negros. No entanto, o foco não é a genialidade de Stephen e sim o relacionamento dele com sua esposa, a qual conhece em uma festa e se apaixona à primeira vista.

Aos 21 anos, Hawking começa a ter problemas para segurar canetas e até mesmo andar. Quando decide procurar um médico, descobre que possui uma doença degenerativa do sistema nervoso, Esclerose Lateral Amiotrófica, e que possui apenas dois anos de vida. É aí, então, que o filme realmente começa, e vemos um Stephen totalmente abatido.

Depois da negação da doença, o jovem gênio aceita os cuidados de sua bela esposa, mas se nega a consultar outros médicos. Precisando de ajuda para falar, comer, se trocar e fazer qualquer outra coisa considerada básica para a maioria das pessoas, surpreende o fato de que durante o auge da doença ele consegue ter três filhos com Jane. Em uma das cenas mais engraçadas do filme, em que um amigo o ajuda a subir uma escada, tirando-o de sua cadeira de rodas e o carregando em seu colo, Hawking explica ao curioso rapaz que sua doença não afeta a função sexual.

Depois de pegar uma pneumonia, em Paris, Hawking é obrigado a realizar uma traqueostomia. Depois disso, começa a ter aulas para conseguir se comunicar novamente, até conseguir seu primeiro sintetizador de voz. Com a progressão da doença, vemos cada vez mais um Hawking triste e frustrado, bem como uma Jane mais amarga. Quando decidem terminar o casamento, porém, ambos acabam em termos amigáveis e voltam a viver mais felizes.

A atuação de Eddie Redmayne é um caso à parte. À Variety, o ator diz ter estudado a vida de Stephen Hawking durante quatro meses, o que, segundo ele, foi “praticamente uma tese de doutorado”, já que exigiu muitas pesquisas – incluindo assistir vídeos no YouTube para entender as expressões faciais do astrofísico. E ele conseguiu. Ao assistir o filme, é possível quase jurar que Hawking rejuvenesceu e está ali, em frente às câmeras, atuando em um filme. Eddie reina em cada detalhe: de pegar uma caneta a tentar comer sozinho, vemos cada detalhe da progressão da doença de Stephen com perfeição.

Felicity Jones, que interpreta Jane, também é uma ótima atriz e deu o suporte necessário a Eddie no filme, mostrando uma mulher forte que, apesar de triste e cansada, não desiste do marido até que ele tenha decidido que o casamento está acabado.

A trilha sonora também é uma grata surpresa, com músicas clássicas e muito piano envolvendo a história, o que a torna ainda mais tocante. Em resumo, a obra merece as cinco indicações ao Oscar de melhor filme.

Eddie foi indicado à categoria de melhor ator no prêmio, enquanto Felicity Jones foi indicada ao prêmio de melhor atriz. O roteirista Anthony McCarten foi indicado à categoria de melhor roteiro adaptado, enquanto Jóhann Jóhannsson foi indicado como melhor trilha sonora.

Referências:

http://info.abril.com.br/noticias/cultura-nerd/2015/01/a-teoria-de-tudo-destaca-relacionamento-entre-stephen-hawking-e-jane-wild.shtml
Postar um comentário

Postagens mais visitadas