A questão do copyright nos tribunais

Rose (1988) questiona o seguinte: Que impacto esses argumentos teóricos tiveram sobre a resolução real da questão do copyright perpétuo nos tribunais? Por que o Tribunal do Banco dos Reis decidiu em favor do perpétuo direito do autor em Millar v. Taylor, e por quais razões a Câmara dos Lordes reverteu esse julgamento em Donaldson v. Becket? Com base em que o decreto foi revertido? Será que os Lordes determinaram que não havia direito comum da propriedade literária, ou eles decidiram que houve tal direito, mas que foi retirado pelo estatuto?
Segundo Rose (1988) na história legal geralmente é dito que os Lordes determinaram que o estatuto terminou com o direito comum. Esta interpretação deriva da influência de relatos de Josiah Brown e James Burrow a respeito do caso Donaldson v. Becket, que fez parecer que os Lordes em seu voto simplesmente confirmaram a opinião da maioria dos juízes de que o estatuto tirou o direito comum.  Na verdade os Lordes dirigiram apenas a questão prática da perpetuidade, e eles fizeram isso de uma maneira que não há boas razões para acreditar que foram diretamente contra a opinião dos juízes.
De acordo com Rose (1988), uma das consequências imediatas do final do copyright perpétuo foi a legitimação das empresas de reimpressão como as de Donaldson. Nos anos após a decisão, as edições prontamente acessíveis de escritores clássicos contribuíram significativamente para o desenvolvimento da leitura. Os livreiros de Londres não conseguiram garantir o copyright perpétuo, mas os seus argumentos desenvolveram a representação do autor como proprietário, e esta representação foi amplamente disseminada. Além disso, a decisão dos Lordes de não tocar na contenção básica de que o autor tinha uma propriedade no produto de seu trabalho. Nem a representação do autor como um proprietário, nem a representação da obra literária como um objeto de propriedade foi desacreditada.
Rose (1988) mostra as consequências que seguiriam o estabelecimento do copyright autoral. Segundo ele, um polemista, em 1762, previu as terríveis consequências que seguiria o estabelecimento de copyright autoral. Sete anos mais tarde, Joseph Yates, escrevendo em Millar v. Taylor, e previu que as composições literárias que foram se admitidas na lei como objetos genuínos de propriedade, litígios intermináveis poderia surgir, incluindo: disputas entre os próprios autores. A criação de uma entidade metafísica, o "trabalho", conduziria, em outras palavras, para disputas metafísicas.
Rose (1988) levanta o seguinte: Que danos devem ser concedidos para o furto de uma anedota? Este é um tipo de pergunta que os nossos tribunais lidam todos os dias. Nós somos os herdeiros da instituição da propriedade literária que surgiu no século XVIII e dos problemas e paradoxos que o tratamento de textos literários como propriedade privada envolve.
Segundo Rose (1988), muitos juristas teriam tido conhecimento da falta de jeito de tratar os textos literários como propriedade privada, no entanto, a instituição da propriedade literária é tão profundamente enraizada em nossa sociedade que muitos juristas e até mesmo alguns historiadores legais consideram como uma ideia moral transcendente que está disponível em todos os tempos e lugares.
Para concluir, Rose (1988) diz que a diferença entre o pensamento pós-estruturalista e da instituição dos direitos do autor põe em vista a historicidade da unidade aparentemente "sólida e fundamental do autor e a obra”. Ainda há muito trabalho a ser feito na construção do que Foucault teria chamado de "genealogia" da propriedade literária, um importante momento da produção do sistema da cultura moderna, no entanto, é evidente que o caso de Donaldson v. Becket foi histórico e o grande debate sobre a natureza inglesa do direito de autor que o mesmo culminou serve de base para afirma, sem nenhuma sombra de dúvida que Donaldson v. Becket foi o grande caso em matéria de propriedade literária.

Referências Bibliográficas:
ROSE, Mark. The Author as Proprietor: Donaldson v. Becket and the Genealogy of Modern Authorship (1988).

Postar um comentário

Postagens mais visitadas