5 dicas para quem está fazendo mestrado e precisa conseguir estudar mais e não tem muito tempo disponível

Esses dias li a matéria “5 atitudes para conseguir estudar mais em menos tempo” e automaticamente senti que a mesma caiu como uma luva para mim. 
Recentemente fui aprovada como aluna especial, do curso de mestrado em ciências humanas e sociais, da UFABC. Desde que comecei a primeira aula, da matéria, Propriedade Intelectual, que tenho vários textos para ler e estudar, a maioria deles em inglês. Em média, por final de semana tenho que ler aproximada 85 páginas. 
Fora os textos do mestrado, tenho que dar conta das minhas atividades no trabalho, meus amigos, minha família, aula de inglês, aula de yoga, meus projetos pessoas, e neste último caso, artigos que escrevo para o Imasters, a página da Sociedade Alternativa (adoro Raul) que administro no Facebook e o Estrambólica Arte que tenho que manter alimentado com textos e coisas estrambólicas.
Haja folego, tempo, dedicação, criatividade, concentração e principalmente uma excelente administração do tempo para conseguir fazer tudo isso, não perder o foco e não ficar estressada.
De acordo com a matéria, na base da falta de foco estão velhos e novos vilões. O som hipnotizante da televisão, o toque repetitivo do celular, redes sociais e aplicativos de mensagens (como o WhatsApp) são alguns deles.
Confesso que ficar em casa, é osso. Bate aquela preguiça, vontade de deitar no sofá e ver TV, arrumar uma coisa e outra. Para minha sorte, prefiro ouvir música. O meu canal preferido da NET é o canal 300 – Net Músicas. Isso ajuda muito na minha concentração, pois adoro estudar ouvindo música. 
Agora o WhatsApp e o Facebook são meus inimigos número 1 em relação a roubar minha atenção. Uma tática é deixar meu celular no silencioso e controlar a ansiedade de ficar verificando as atualizações frequentemente. Isso é algo que rouba muita a atenção. Outra tática para evitar a preguiça e fuga da responsabilidade através do método de fazer outra coisa (arrumar armário, desenhar, ler outras coisas) é sair de casa. Levar o material que tenho que estudar e procurar um lugar legal e ao mesmo tempo tranquilo que permita uma leitura com atenção. Gosto da Pinacoteca, do Sesc Vila Mariana e do Ibirapuera. Mas, quando não sobra tempo, o jeito é ficar em casa e vencer as "distrações domésticas".
De acordo com a matéria, vencer os inimigos da nossa concentração e disciplina para estudar é apenas questão de (muita) força de vontade. Afinal, basta apertar o botão desligar para ter a certeza de não ser interrompido. No entanto, se a raiz da distração está fincada dentro da sua cabeça, algumas atitudes antes e durante o período de estudos podem ajudar. Veja o que Juliana Pivotto, sócia diretora da Nova Concursos, sugere para aumentar o poder de concentração e conseguir estudar mais em menos tempo.
ANTES:

1 Preste atenção ao fluxo de respiração
Sim, investir 2 minutos da sua atenção (apenas) no ritmo da respiração pode ser decisivo para baixar a ansiedade e melhorar a concentração. “É um exercício simples, que dá para fazer em casa e baixar a adrenalina”, diz Juliana. Experimente alongar o tempo de inspiração e, sobretudo, o de expiração durante estes minutos.
2 Foque em um ponto estático
O esvaziamento da mente é um dos pressupostos da meditação cujo objetivo é conectar o praticante ao momento presente. Seus benefícios para ativar a capacidade de foco são propagados há milhares de anos. Nunca tentou? Para começar, imagine, por alguns minutos, a chama de uma vela e tente controlar o movimento com a mente. “O desafio é não pensar em mais nada, o que é bem difícil”, diz Juliana.
OBSERVAÇÃO PESSOAL 1: O curso de yoga que estou fazendo me ajuda muito a exercitar os itens 1 e 2. Estou adorando a prática do yoga e recomendo, pois é um exercício, físico-mental-emocional.
DURANTE
3 Vá logo ao limite da sua capacidade mental
Com mais tranquilidade, é hora de partir para os livros e apostilas. Mas não comece pelo caminho mais fácil, ou seja, aquela matéria que você já domina. Na opinião de Juliana, assuntos complexos forçam a mente a trabalhar mais. “Quanto mais difícil, mais você terá que se concentrar e, assim, seu cérebro permitirá menos brechas para a distração”, recomenda.
 4 Faça do estudo um jogo
Criar um esquema de “auto premiação” pode ser o empurrãozinho que faltava para continuar motivado, segundo Juliana. Venceu um tópico daquela doutrina complicada? Gabaritou a lista de exercícios? Ponto para você. Estabeleça uma lista metas, e à medida que elas forem cumpridas, dê a si mesmo pequenos “presentes”, como pausas e momentos para estudar sua matéria preferida, por exemplo. 
OBSERVAÇÃO PESSOAL 2: Adoro café e desenhar. Então estou usando isso, como forma de incentivo. Depois de concluir o estudo tomar um café bem gostoso e em seguida desenhar minha nova paixão: MANDALAS!
DEPOIS

5 Anote o que tira a sua concentração
Conhecer o “inimigo” é o primeiro passo para superá-lo. Por isso, Juliana indica também um exercício de autoconhecimento. A ideia é verificar o que o tira do foco e criar suas próprias estratégias para não se deixar vencer pela distração.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas